MÍDIAS


STJ Cidadão discute a prisão preventiva sob o impacto de três leis recentes
De acordo com a Secretaria Nacional de Segurança, pelo menos 70% dos assassinatos que ocorrem no Brasil estão relacionados ao tráfico de drogas. Os danos causados por esse tipo de crime atingem diferentes esferas da sociedade. E motivaram a criação de uma legislação específica em 2006. A lei antidrogas proíbe a concessão de liberdade provisória a presos acusados de tráfico de entorpecentes.

Mas, em 2007, uma mudança em outra lei abriu a possibilidade para que pessoas acusadas de crimes hediondos respondessem aos processos em liberdade. A regra é válida também para os crimes equiparados a hediondos, como tráfico de drogas, tortura e terrorismo. Surgiu então a dúvida: é ou não possível liberar um suposto traficante durante o curso do processo? De acordo com o Superior Tribunal de Justiça (STJ), se existe uma legislação específica, é ela que deve prevalecer. Por isso, todos os habeas corpus de presos por tráfico vêm sendo negados pelo STJ. É o que mostra o programa de TV desta semana.

A edição também explica o que mudou depois da aprovação, pelo Congresso Nacional, da lei das cautelares, em vigor desde o dia 4 de julho. Agora, acusados de crimes como formação de quadrilha, porte ou disparo de arma de fogo, receptação, e apropriação indébita só podem ser presos preventivamente em caso de reincidência. A ordem é aplicar medidas alternativas. Mas será que o país tem estrutura para fiscalizar o cumprimento dessas cautelares? O STJ Cidadão mostra a visão de especialistas sobre essa questão. 


Fonte: 



E ainda: o caso do suplente de deputado e do pastor que respondem a ações penais por uso indevido do Brasão da República. Os dois podem cumprir pena de dois a seis anos de prisão por utilizar símbolos oficiais para obter vantagem pessoal. Para assistir ao STJ Cidadão, clique aqui

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ação Trabalhista

José Dirceu deve entregar sua carteira da OAB até o final desta quarta

Nos julgamentos em lista, tribunais não deliberam verdadeiramente